Dieta Mediterrânea – Emagrecimento, Saúde e Longevidade

Dieta Mediterrânea - Emagrecimento Saúde e Longevidade

A Dieta Mediterrânea é um plano alimentar com base em hábitos de pessoas de países banhados pelo Mar Mediterrâneo, como o Sul da Espanha, Sul da Itália e Grécia, que apesar de terem culturas diferentes, eles compartilham uma alimentação em comum, que se deve principalmente pelo solo e clima da região que resultam em uma fauna e flora típica do Mediterrâneo.

A Dieta Mediterrânea ficou famosa em 1950 e 1960 quando o pesquisador norte-americano Ancel Keys estudou os hábitos alimentares de diversos países e percebeu que pessoas da região mediterrânea tinham uma dieta rica em gorduras, mas no entanto tinham menor incidência de doenças cardiovasculares.

Confira também:
Dieta Nórdica Cardápio – Como Emagrecer com a Dieta Viking
Dieta Nórdica versão Brasileira para Emagrecer como os Gringos
Dieta Fit 60D 21 kg – Projeto para Emagrecer e Mudar de Vida
Trabalho em Casa com o Kit 39 Ebooks Editáveis com Direito de Revenda

Alimentos Pilares que fazem parte da Dieta Mediterrânea

A dieta mediterrânea não controla o consumo de macronutrientes como gorduras, carboidratos e proteínas, mas conta com alimentos típicos que fazem parte da base alimentar. São eles:

Azeite de oliva

O óleo de azeite de oliva é uma fonte de gordura e está presente em abundância nas preparações da culinária mediterrânea. Seus benefícios para a saúde vem da qualidade das gorduras que ela possui.

azeite de oliva

O azeite de oliva é rico em ômega-9, que é um ácido graxo conhecido por reduzir o colesterol LDL (considerado ruim) e aumentar o colesterol HDL (considerado bom).

Oleaginosas

Amêndoas, nozes e castanhas também contém boas quantidades de ômega 3, além de serem ricas em vitamina E que é um antioxidante e em selênio que é um mineral importante para o organismo, mas difícil de se obter pela alimentação.

Peixes de água salgada

Devido a proximidade com o mar do mediterrâneo, as pessoas que seguem esse plano alimentar costumam comer grandes quantidades de peixe, chegando a 4 vezes por semana.

Peixes que vivem em águas mais quentes e menos profundos são ricos em proteínas e pouca gordura, enquanto que os peixes que vivem em águas profundas são ricos em ômega-3, que é um ácido graxo poli-insaturado com propriedades anti-inflamatórias, capaz de reduzir os triglicérides, colesterol total e também reduzir a incidência de doenças neurodegenerativas.

Frutas e legumes

Pessoas que seguem a dieta mediterrânea consomem até nove porções de vegetais e frutas por dia. Isso enriquece a dieta com uma série de vitaminas essenciais para o bom funcionamento do organismo. Quanto mais colorido forem os vegetais e frutas, maior a variedade de nutrientes benéficos para o corpo.

Outro fator importante é que os vegetais e frutas são ricos em fibras alimentares, que melhoram o fluxo intestinal e equilibram a microbiota intestinal, melhoram o sistema imunológico, reduzem os picos de glicemia e de insulina e aumentam a saciedade.

Grãos integrais

Os grãos integrais são os principais responsáveis pelo fornecimento de energia e por serem integrais e não passarem pelo processo de refinamento, trazem muitos benefícios. Para começar, eles preservam nutrientes importantes como o zinco, fósforo, magnésio e fibras

As fibras aumentam a sensação de saciedade, evitam os picos de glicose e insulina no sangue e também evitam a diabetes tipo 2.

Leguminosas

As leguminosas também estão muito presentes na dieta mediterrânea. Entre os tipos mais consumidos podemos destacar o grão de bico, lentilha e feijões, que são ricas em minerais como zinco, fósforo, potássio, cálcio, ferro, além de algumas vitaminas como as vitaminas do complexo B e ácido fólico.

Vinho tinto

O vinho tinto é a peça chave na redução de riscos de mortalidade. Mas o consumo deve ser moderado para no máximo dois copos por dia, caso contrário os riscos de AVC e câncer aumentam.

O vinho tinto é rico em antocianinas e resveratrol. As antocianinas são antioxidantes que combatem o envelhecimento e o resveratrol e um polifenol que evita a formação de placas gordurosas nas artérias, além de reduzir alguns tipos de câncer.

Queijos e iogurtes

Na dieta mediterrânea os laticínios mais consumidos são os queijos e iogurtes naturais, que são a maior fonte de cálcio dessa alimentação, sendo muito importante para a saúde dos ossos.

Alimentos menos consumidos

A dieta mediterrânea também reduz e evita alguns tipos de alimentos como:

Carnes vermelhas: devido ao consumo maior de peixes e também de carne de frango, pessoas que seguem a dieta do mediterrâneo chegam a consumir apenas 500 g de carne vermelha por semana. Isso ajuda a reduzir em 11% os riscos de doenças cardiovasculares.

Alimentos industrializados: a dieta mediterrânea tem um consumo grande de alimentos naturais, o que contem menos açucares refinados, gorduras saturadas e trans, aditivos químicos, corantes, entre outros.

Benefícios da dieta mediterrânea

A alimentação saudável, menos estresse e hábitos saudáveis, faz com que a dieta mediterrânea traga uma série de benefícios para o seu corpo, como proteção cardiovascular, previne a hipertensão, infartos, arteriosclerose e AVC.

Além disso, a dieta usa pouco sal e uma grande quantidade de flavonoides, vitaminas antioxidantes e os componentes presentes no vinho tinto, como o resveratrol e as antocianinas que também ajudam na prevenção de doenças cardíacas.

Também ajuda a prevenir a diabetes tipo 2 devido a alta quantidade de fibras que controlam a glicemia e os picos de insulina.

Protege o cérebro devido ao ômega 3, vitaminas, minerais e gorduras insaturadas e que ajudam a prevenir o Alzheimer.

A alta quantidade de fibras também protege o corpo contra alguns tipos de câncer como o câncer de pulmão, câncer de laringe, câncer da cavidade oral, câncer de faringe, câncer de esôfago e câncer de estômago.

A grande quantidade de antioxidantes também ajudam a prevenir a formação de tumores e combatem o envelhecimento das células causada pelos radicais livres.

As fibras solúveis das frutas e vegetais favorece o trânsito intestinal.

Como a dieta mediterrânea ajuda a emagrecer?

A ideia principal da dieta mediterrânea não é emagrecer, mas sim ter um corpo mais saudável. As pessoas emagrecem devido a qualidade dos alimentos que saciam a fome e melhoram o funcionamento do organismo.

Mas vale lembrar que que alguns alimentos da dieta mediterrânea são bem calóricos. Portanto, vale a pena procurar um nutricionista para adequar as quantidade dos alimentos para a sua meta, seja ela de emagrecer ou de manter o peso.

Cardápio da dieta mediterrânea

Cardápio de um dia da dieta mediterrânea:

Café da manhã
1 unidade de pão francês
1 col. de sobremesa de geleia de uva
1 copo de suco de limão
½ mamão-papaia

Lanche da manha
½ manga

Almoço
Salada de alface à vontade com ¼ de cenoura ralada
3 col. de sopa de arroz integral
1 omelete simples
3 col. de sopa de vagem refogada

Lanche da tarde
5 unidades de nozes

Jantar
Salada de alface e tomate e cebola à vontade
2 colheres de sopa de arroz
1 colher de sopa de grão de bico
80 gr de peito de frango assado
2 colheres de sopa de brócolis

Ceia
Chá de camomila

Gostou do artigo Dieta Mediterrânea – Emagrecimento, Saúde e Longevidade? Ainda tem dúvidas ou sugestões? Então deixe um comentário abaixo.

Seus Amigos Precisam Saber Disso....
Share on Facebook
Facebook
0Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *